Home Duque de Caxias Caxias – Hospital Ismélia da Silveira é referência no atendimento à violência infantil
Duque de Caxias - 31 de janeiro de 2014

Caxias – Hospital Ismélia da Silveira é referência no atendimento à violência infantil

O Brasil registra altos índices de violência infantil. A agressão física doméstica, e principalmente, o abuso sexual, são os casos mais comuns de maus-tratos contra as crianças. O Hospital Infantil Ismélia da Silveira, no Centro, conta com um setor destinado ao acolhimento e ao tratamento aos menores de 0 a 12 anos vítimas destas agressões. Criado há 14 anos, o Ambulatório de Violência Infantil já registrou quase 1.700 casos confirmados, em Duque de Caxias.

“São cerca de 120 casos por ano. A violência sexual responde por 70 % dos atendimentos, e em sua maioria acontece dentro das residências, pelos pais, padrastos, parentes e amigos da família”, disse a coordenadora do Serviço Social, Denise de Souza Vaz.

Romper o silêncio da mãe, que muitas vezes encobre as situações de abuso e exploração contra crianças, é um ponto importante para que os responsáveis busquem o apoio.

“Não se pode ter medo de denunciar e procurar o atendimento. Essa é a única forma de ajudar essas crianças. Confirmado a violência, todas as formalidades são feitas, além do atendimento médico e psicológico, tem o encaminhamento ao Ministério Público, Conselho Tutelar e as denúncias dos agressores na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente”, afirma a psicóloga Juliana Bezerra, há quase nove anos no ambulatório.

A coordenadora Denise de Souza ressalta ainda a importância de que as mães observem a mudança de comportamento dos filhos. Em muitas oportunidades, por medo, escondem as agressões.

“Ficam mais caladas, perdem o interesse em participar de brincadeiras, se fecham em seu próprio mundo. Há mães que são coniventes, criando um universo de hostilidade verbal, negligência, abandono físico, rejeição e o desprezo aos filhos. A criança que sofre a agressão sexual, encaminhada até 72 horas do ato, direcionamos a nossa emergência, para que através de medicamentos se evite a gravidez”, afirma Vaz, que recebe pacientes também de municípios vizinhos da Baixada Fluminense.

O ambulatório conta com uma equipe formada por assistente social, psicólogo, pediatra, enfermeira e ginecologista. No atendimento psicológico é criado um universo infantil favorável às crianças com brinquedos, lápis de cor, e animação para que os menores interajam com a terapia.

“Existem crianças que chegam a ficam no tratamento por mais de cinco anos. Fazemos todo o acompanhamento com terapia, apoio psicológico, e até visitas domiciliar para que os responsáveis entendam a gravidade destes problemas. Temos uma demanda muito grande de casos. Temos que conscientizar as pessoas a cerca da violência doméstica e sexual que os menores sofrem”, destaca Juliana Bezerra.

Uma parceria com o SESC leva uma vez por semana para a unidade, animadores com brincadeiras e músicas para as crianças no hospital. É o caso da dupla de músicos e atores formada por Júlia Pastore e Gabriel Otoni.

“A melhor recompensa é o sorriso das crianças. As mães ficam emocionadas com a interatividade e as brincadeiras. Isso não tem preço”, afirma Júlia.

Coordenadoria Ambulatório de Violência Infantil – Hospital Ismélia da Silveira

Rua General Argolo s/nº – Centro – Duque de Caxias.

Atendimento: segunda à sexta-feira – 8h às 16h – Sala 05.

Telefone: (21) 2674-7874.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Artista plástico Paullo Ramos morre aos 70 anos

Morreu na madrugada de segunda-feira (06/04/2020) o artista Plástico Paullo Ramos. Paullo …