Home Mesquita Dicró morre e deixa Mesquita triste e de Luto
Mesquita - Notícias - 27 de abril de 2012

Dicró morre e deixa Mesquita triste e de Luto

Mesquita amanheceu triste ontem (26). A morte do cantor e compositor, Carlos Roberto de Oliveira, o Dicró, 66, um dos mais ilustres mesquitenses¸ fez o prefeito Artur Messias (PT), decretar Luto Oficial na cidade por três dias. Portador de Diabetes, Dicró morreu em decorrência de um infarto,  no Hospital de Magé, na Baixada Fluminense. Seu sepultamento estava marcado para às 16h, no Cemitério Jardim da Saudade, em Mesquita.

 

Irreverente, Dicró nunca escondeu suas origens. Nasceu em Mesquita, no dia 14 de fevereiro de 1946, na época, distrito de Nova Iguaçu. Cresceu no Bairro Jacutinga e fez muitos amigos pela cidade, muitos, no Bairro Chatuba, citado em uma de suas conhecidas canções: “Preciso morar, num lugar onde ninguém em perturba, ah, vou morar na Chatuba”…

 

Desde cedo, Dicró frequentava as rodas de samba e numa delas, conheceu o compositor, Sérgio Fonseca, também mesquitense (Vários artistas gravaram composições de Sérgio Fonseca, entre eles Xuxa, Elizeth Cardoso,  Jorge Aragão; Zeca Pagodinho, Alcione, Leci Brandão, Originais do Samba, Helena de Lima Mestre Marçal,  Zé, Léo Jaime,  Angélica, Elson do Forrogode  Eliana Pittman. Mais de 200 músicas gravadas). Fonseca é o responsável pelo apelido Dicró, que o fez famoso e encheu de orgulho os moradores de Mesquita (cerca de 190 mil habitantes).

 

Criado em terreiro de macumba, Dicró, rapidamente tornou-se compositor e passou a integrar as alas das escolas de samba, Beija Flor de Nilópolis e Grande Rio de Duque de Caxias .Logo, foi abraçado pelos veteranos cantores: Moreira da Silva e Bezerra da Silva, formando o trio da “malandragem”.

 

O Filho de Mesquita marcou uma era. Suas composições alegres, mescladas de brincadeiras, não só mexeram com sogras, mas serviram de incentivo para “catucar” governantes e provocar a revitalização de uma das mais poluídas praias do Rio de Janeiro, a Praia de Ramos.

Dicró fez rimas e muitas histórias.

 

 

 

CHATUBA

DICRÓ

 

Preciso morar
Num lugar que ninguém perturba
Pra onde eu vou amor?
Ah vou morar na Chatuba

Lá ninguém fecha a janela
Porque não existe ladrão
A polícia anda desarmada
Apertando mão em mão
Em toda casa do bairro
Tem sempre um jardim florido
E as mulheres casadas
Têm muito respeiro ao marido

Preciso morar
Num lugar que ninguém perturba
Pra onde eu vou amor?
Ah vou morar na Chatuba

Os crioulos da Chatuba
Quando vão para a cidade
Vão direto na delegacia
Pra cumprimentar as autoridades
Um neguinho da Chatuba
Também saiu pra passear
Achou um cordão de ouro
E deixou lá no mesmo lugar

Preciso morar
Num lugar que ninguém perturba
Pra onde eu vou amor?
Ah vou morar na Chatuba

Os caminhões de entrega
Quando calham de atolar
Os crioulos com enxada
Correm logo pra ajudar
Porque lá só tem gente boa
Nunca deu mau elemento
Quando nego entra em cana
Excesso de documento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

Artista plástico Paullo Ramos morre aos 70 anos

Morreu na madrugada de segunda-feira (06/04/2020) o artista Plástico Paullo Ramos. Paullo …